• Dra Patrícia Savoi

Histórico do Canabidiol

Atualizado: 5 de fev. de 2020


Vou tentar resumir um pouco sobre o histórico do uso de Canabidiol na saúde. Os primeiros registros sobre o uso da maconha com fins medicinais são atribuídos ao imperador ShenNeng da China, que prescrevia chá de maconha para o tratamento da gota, reumatismo, malária e, por incrível que pareça, memória fraca. Isso tem registros de 2737 AC. O médico Pedânio Dioscórides, greco-romano, considerado o fundador da farmacologia, publicou sua obra “De Materia Medica”, a principal fonte de informação sobre drogas medicinais, desde o início do século I até o século XVIII. Lá já era possível encontrar a maconha medicinal era indicada como tratamento eficaz para dores articulares e inflamações. Em 1808 ela chegou no Brasil através dos escravos, e existem relatos da Carlota Joaquina consumir o chá de maconha. Em 1839, o médico William O’Shaughnessy relatou no artigo do jornal médico intitulado “Sobre a preparação de Indian Hemp ou Gunjah”, que a maconha medicinal é um remédio anticonvulsivante de maior valor. Desta forma a maconha medicinal cresce no continente europeu.

Em 1889, EA Birch na revista The Lancet, uma das principais revistas médicas do mundo, delineou a aplicação da Cannabis Sativa L. para o tratamento de dependência ao ópio. A erva reduziu o desejo do ópio e agiu como um antiemético. E assim, o uso da maconha medicinal foi se espalhando a ganhando força na Europa e nos Estados Unidos.

Apesar da convenção da ONU e com toda a proibição nos EUA e na Europa, o Prof. Dr. Raphael Mechoulam, do Departamento de Química Medicinal e Produtos Naturais, da Escola de Medicina da Universidade Hebraica de Jerusalém, isola o canabidiol (CBD) e no ano seguinte, o delta 9-tetrahidrocanabinol (THC) em 1963. É importante registrar que Roger Adams , em 1940 , descobriu o CBD- canabidiol- mas quimicamente ele foi isolado somente em 1963.

Raphael Mechoulam, em Israel; e também em 1963; após isolar o CBD, isolou também a molécula de outro canabinoide importante: o THC: tetrahidrocanabinol (fitocanabinoides), e substâncias como o AEA e 2AG (endocanabinoides), além de elucidar o sistema endocanabinoide.

No Brasil, também existe um ponto importante: em 1980 o grupo do Prof. Dr. Elisaldo Carlini (UNIFESP) publica no J ClinPharmacol - um importante e respeitado periódico científico internacional, um estudo duplo cego, randomizado, incluindo uma pequena amostra de oito pacientes, comparados com sete controles, o efeito benéfico do CBD para controle de crises convulsivas.

A partir de 1999-2000, crescem os estudos para elucidar o Sistema Endocanabinoide e o poder dos canabinoides para a Saúde. Em 2007, foi publicado o livro Maconha, Cérebro e Saúde, dos neurocientistas Renato Malcher-Lopes e Sidarta Ribeiro no sentido de divulgar para o público o entendimento do sistema endo canabinoide e seu potencial medicinal.

Em 2014, no Brasil; Anny Fisher, brasileira com 5 anos de idade, portadora da síndrome CDKL5 (que também determina um quadro de epilepsia refratária), tem sua historia de sucesso no controle de crises convulsivas, com o uso de um óleo rico em CBD, apresentada no programa Fantástico. Anny foi a primeira paciente a conseguir na justiça o direito a importação do óleo (sua história e de outros pacientes pode ser visto no filme "Ilegal"- super recomendo). No mesmo ano, aconteceu em São Paulo o IV Simpósio Internacional de Cannabis Medicinal, promovido pelo CEBRID (Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas) – Departamento de Medicina Preventiva – UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo).

Em outubro de 2015, acontece na ANVISA o Painel Técnico: “Evidências para o uso do Canabidiol, controle e riscos de suas prescrições”; que auxiliou a ANVISA na elaboração do painel, indicando vários pesquisadores de universidades brasileiras, que trabalham na linha de pesquisa dos canabinoides. Estiveram presentes: Dr. Leandro Ramires (presidente da AMA+ME), Prof. Dr. Elisado Carlini (UNIFESP) e Prof. Dr. Antônio Zuardi (USP). Após o painel, ficou estabelecida a ampliação do uso compassivo do óleo de Cannabis Sativa L. rico em CBD, para tratamento de outras doenças além da epilepsia.

Mais detalhes podem ser vistos no site da AMA+ME e CFM.


Dicas de documentário:

-The Scientist - You tube

-Ilegal

-Cortina de Fumaça

- Weed the People


Deixe seus comentários!

Beijos

17 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo